Buscar

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Geração "Y"

Para quem nunca ouviu falar do que possa ser a Geração Y, posto este artigo retirado do site do CRC-SP. Isso explica muita coisa sobre o comportamento de certos profissionais.
Eu faço parte dessa geração.


O que é a Geração Y e como lidar com esses profissionais

Uma geração de novos trabalhadores, que sonham e estabelecem objetivos altos, invade o mercado de trabalho. Trata-se da Geração Y. Entender e saber lidar com esse público é fundamental para um bom relacionamento e o sucesso das organizações.

Geração Y, também conhecida como Geração Internet, é um termo utilizado para definir as pessoas nascidas após o ano de 1980 e que já foram criadas em meio ao boom da internet. Repletas de atividades, aprenderam, desde cedo, a lidar com situações que, antigamente, não eram tão comuns. São jovens espertos e ousados que querem trabalhar, mas não viver de trabalho.

Os membros dessa nova geração são capazes de realizar diversas atividades ao mesmo tempo. Falam ao telefone, no MSN, acessam diferentes páginas da internet sem deixar de trabalhar. E preferem agir assim, optando sempre pela comunicação “virtual” à presencial.

O professor da FGV (Faculdade Getúlio Vargas) João Baptista Brandão, acostumado a desenvolver processos de coaching com estudantes, executivos e empresários, citou em um artigo algumas características da Geração Y. Segundo Brandão, esse profissional é responsável, alegre e necessita de feedback. “Ele gosta de autonomia, mas precisa receber dicas de como está indo o seu trabalho, sua performance. É movido a elogios, adora ser reconhecido”.

As diversas características positivas da Geração Y não abatem as consideradas negativas. Ainda segundo Brandão, os membros dessa geração têm certa tendência a serem carentes com relação a inteligência social. Não conseguem prestar tanta atenção em atos e pessoas que estão fora da sua realidade. E isso passa a ser mais um desafio para quem vai liderar esse profissional.

Outro desafio é o confronto de realidades em uma equipe composta por pessoas de diferentes gerações. Hoje em dia é comum encontrar empresas nas quais trabalham, juntos, profissionais de 50, 60 anos de idade e profissionais de 20. Isso tem se intensificado ainda mais com os programas de estágio e trainee.

Na opinião de Juliana Boff, 24 anos, estudante de Ciências Contábeis, esse confronto, que pode existir, é produtivo. “As gerações anteriores estão em processo de adaptação com toda essa tecnologia e ainda tem um pouco de receio. Esse confronto é necessário para que gerações anteriores passem a usar essas ferramentas facilitadoras, tornando a comunicação mais ágil e rápida”, disse.

A também estudante de Ciências Contábeis, Alice Costa, 20 anos, se auto intutula membro da Geração Y e tem uma opinião parecida sobre o assunto. “Acredito que conflitos sempre existirão em qualquer novidade que apareça. Cabe às pessoas de gerações anteriores estarem atualizadas e abertas às mudanças, principalmente as que estão envolvidas no mercado de trabalho”, disse. “Acredito que a melhor maneira de diminuir conflitos entre as gerações ligadas ou não à internet é a atualização e a conscientização de que nos dias de hoje não há mais como viver sem essa ferramenta”, completou.

Uma das grandes características desses profissionais é a ansiedade pelos resultados. Eles buscam desafios para receber reconhecimento imediato. Com base nisso, diversas empresas têm batalhado para encontrar formas de reter seus talentos. Apenas um bom salário não é suficiente para manter uma promessa de sucesso em seu quadro de funcionários. A empresa precisa que ele esteja motivado, que tenha suas qualidades apontadas, que receba reconhecimento e que atinja seus objetivos. Caso contrário, ele não irá relutar em mudar de emprego.

Poupar desde cedo, estar preocupado com o futuro, questionar sempre, buscar trabalhos flexíveis, que possibilitem horários alternativos e trabalhar em home office são outras particularidades dessa geração.

Obviamente, essas características não são encontradas em todos os profissionais nascidos após 1980. Cada ser humano cria seus conceitos, seus trejeitos profissionais, de acordo com aquilo que vivenciou e aprendeu. Não é uma regra, é apenas uma relação de fatores em comum encontrados em uma parcela dessa população.

Fonte: http://www.markethings.com.br/crc/online240909/carreira240909.html